Design brasileiro 4.0

O estilo “made in Brazil” que conquistou o mundo com sua estética tropical e alegre agora também traz inspirações do Brasil urbano, unindo inovação tecnológica e responsabilidade socioambiental na cadeia de produção
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Exuberância, design autoral, cores vivas e um inconfundível toque artesanal são alguns dos atributos dos sapatos “made in Brazil”. O mercado calçadista brasileiro ganhou o mundo ostentando um DNA único, reconhecidamente brasileiro e que, assim como a indústria em constante evolução, também foi se aprimorando. Sem deixar de lado o mood tropical inspirado na flora e fauna do País, fomos incorporando referências de ícones do design, da arquitetura e do urbanismo nas criações – pense em nomes de projeção internacional como Oscar Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha, Sergio Rodrigues e Burle Marx. Ao mesmo tempo em que as marcas ampliaram as referências culturais brasileiras em seu portfólio de produtos, a preocupação em desenvolver, apoiar e valorizar a mão de obra nacional e seus artesãos, paralelamente às inovações tecnológicas, cresceu na mesma medida.

“Independentemente do estilo e da trajetória de cada marca, todas têm algo em comum: DNA brasileiro em sintonia com responsabilidade socioambiental.”

A marca Paula Ferber, criada há 22 anos pela designer homônima em Trancoso – considerada uma das cidades mais charmosas da Bahia – é um exemplo. Nos 15 primeiros anos de trajetória, Paula olhou para elementos do País, como a natureza, as expressões artísticas indígenas e a arte popular de diferentes regiões para se inspirar. Com o tempo, passou a incluir o mood urbano das grandes cidades. “O tipicamente brasileiro foi um dos pontos de partida quando resolvi lançar a marca. Mas coloquei como desafio explorar nossa identidade em todos os seus aspectos, desenvolvendo sapatos com a cara do Brasil, não só o Brasil tropical mas o Brasil urbano. Assim como nosso povo é mestiço, nosso design também é.  Nos últimos anos veio a vontade de ter um produto híbrido entre o tênis e o sapato – uma linha feita de lycra que representa muito bem o tropical urbano brasileiro”, explica Paula.

Paula Ferber (Foto Divulgação)

Em seus calçados com acabamento impecável, a designer utiliza materiais nacionais como bordados e couros de peixe (incluindo a tilápia e o pirarucu) e chifres de bois, que antes eram descartados, além de técnicas artesanais como o tear manual e o macramê.  Sem falar na tecno-lycra que se assemelha ao neoprene e, quando aplicada às técnicas manuais, traz conforto e praticidade. O resultado é uma marca que combina luxo com a leveza de ser brasileiro, sem perder o respeito pelas matérias-primas e pelo “feito à mão”. Em sua produção, Paula conta com cooperativas e fábricas familiares de diversas regiões, mostrando que a geração de empregos, a difusão de técnicas artesanais e a geração de renda é fundamental neste processo – muitas vezes um processo de profissionalização.

Adriana Farina (Foto Divulgação)

Este modelo de trabalho e olhar original para o design também é compartilhado por Adriana Farina, conhecida por sua marca homônima de sapatos handmade lançada em 2019. “O design autoral brasileiro costuma resgatar memórias dos momentos simples e inesquecíveis do nosso passado. O Brasil é referência na estética modernista, mas também na contemporânea. Em geral, o design brasileiro traz como referência o lifestyle de vivacidade e alegria. Para nós, ele é muito mais que isso. O “made in Brazil” refere-se ao que é feito por mãos brasileiras, com couros e componentes nacionais, além de técnicas manuais como o tressê, o macramê e os bordados”, conta Adriana, que também trabalha com uma ráfia vegetal 100% biodegradável.

Assim como Paula Ferber, a questão socioambiental está no cerne de seu trabalho, com destaque para a produção local em pequena escala, a tiragem limitada e o treinamento de mulheres que desejam aprender o ofício artesanal. “Acreditamos que ética, sustentabilidade e responsabilidade social devem fazer parte do dia a dia da nossa empresa”, afirma Adriana.

A preocupação constante com o meio ambiente e as pessoas tornou-se parte inseparável do “tipicamente brasileiro”, ao passo que a tecnologia ajuda a minimizar impactos negativos e possibilita ainda mais conforto e inovações em termos de estilo. Muitas marcas têm feito um casamento perfeito entre as matérias-primas do Brasil em processos sustentáveis e o apoio ao trabalho de pequenas cooperativas e fornecedores.

Gabriela Matuschka, da Matuschka Mia, criada em 2016 e que conquistou o mercado com seus calçados lúdicos e coloridos para crianças e adultos –, destaca a importância do fator humano na construção de uma marca. “Temos orgulho do nosso país e isso se traduz em combinações ousadas e divertidas. Nosso produto é 100% brasileiro, com couros e mão de obra muito especiais – principalmente de fábricas parceiras distribuídas nos principais polos calçadistas do Brasil. O Brasil tem uma das melhores mãos de obra de calçados do mundo e nos orgulhamos em dizer que nosso produto é 100% nacional e certificado. Sem esses colaboradores, que montam as maquetes e depois realizam a produção, nada disso seria possível.”

Matuschka Mia (Foto Divulgação)

Entre os destaques da marca estão as espadrilles. A Matuschka viu neste modelo um dos caminhos para o seu sucesso e, atualmente na segunda coleção de espadrilles, já vislumbra uma nova versão para a próxima temporada. Além delas, Gabriela também aponta outra marca registrada da Matuschka Mia, os couros estampados de animal print. “São parte da nossa essência, tanto nos calçados quanto nos acessórios e roupas, e têm durabilidade e conforto. Já tivemos onça azul, onça lilás e tigre amarelo. Os tênis e oxfords vêm com uma variante da onça metalizada e vão do 20 ao 39”, explica.

Dellela (Foto Divulgação)

Há 40 anos no mercado, a gaúcha Dellela chama a atenção com seus sapatos de couro mestiço e ricos detalhes de costuras feitos à mão. As referências brasileiras para o design vêm de um vasto arquivo de revistas e figurinos desde os anos 1980. “Nesta temporada, optamos por um tressê manual modernizado e com cores vibrantes. As sandálias são feitas de couro e trançadas manualmente por artesãs que seguiram a tradição de suas famílias. O toque de modernidade vem pelo design em si e pela construção dos pares – nos cabedais, no formato das palmilhas e nos saltos”, explica Alexandre Dellela, diretor da empresa e designer, que tem o estilista Vitorino Campos como referência.

Para o verão a marca investiu nas rasteiras e sandálias de salto baixo, e, para o inverno, pretende ampliar a coleção com sapatilhas, scarpins e botas”, conta. Na nova coleção, além dos elementos em palha que remetem à natureza, a Dellela desenvolveu uma borracha para solado na mesma cor do couro, com quatro variações. “Essa sola de borracha surgiu com a intenção de deixar os modelos ainda mais minimalistas, mantendo o tom do calçado por igual. Usamos borracha TR, material 100% reciclável e sem elementos tóxicos que, mesmo após o uso por muitos anos, ainda permite a reciclagem posterior”, completa Alexandre.

A evolução do design, tanto no conteúdo quanto na forma de produção, mostra que, independentemente do estilo e da trajetória de cada marca, todas têm algo em comum: DNA brasileiro em sintonia com responsabilidade socioambiental. Esse é o novo “made in Brazil”. 

LEIA TAMBÉM